terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Nada que me preocupasse além do justo

Eu estava lá para resgatá-la. Confirmara o depósito logo nas primeiras horas da manhã, quando do despertar da agência bancária. O caminho estava brutalmente obstruído. Dali de onde eu via o campo de ação, tudo acontecia em um desenrolar estúpido, como se o Glenn Miller aparecesse levando a guitarra-base dos Arctic Monkeys numa versão pós-moderninha de "In the mood". Isso é só um exemplo, cuidado. Entenda o meu lado também, não é estranho ver leões-de-chácara andando somente em diagonal? Brutamontes de quase três metros se esgueirando por aquele jardim nababesco ora pra frente/trás, ora pros lados, nunca descrevendo diagonais. O Barão já havia providenciado o rock. Eu captava bem. Torneios de boxe entre o Hank, Hem, Malloy, LaMotta e o Norman Mailer só dando pitacos, pra comprovar sua macheza, mesmo sem desferir um soco sequer em algum dos seus convivas. O Kerouac reaça e o Ti-Jean iluminado e vagabundo discutiam telepaticamente debaixo dos uivos do Ginsberg e das baratas do Bill Burroughs. Samsa era uma dessas baratas, mas é segredo. Mr. Deeds planejava me emprestar uma grana, ao passo que eu o admitiria para que se juntasse ao conjunto musical contido em "Confissões de uma estrela do Rock N' Roll". Marcelo Camelo era o ourives das melodias e realmente, bebia muito pouca água. Zé Rubem divertia-se trando fotos de si mesmo com um telefone celular, além de marcar o compasso de "Party in the USA" com o pé direito.
Amanheceu uma entusiasmada Telecaster dourada de espelho branco, e todos paravam para escutar "Onde tudo parou" com reverência nada nada nada fingida, coisa sincera, bonita mesmo.


Eu tinha tudo que precisava ali mesmo. Fora resgatá-la e voltei para casa sob suas asas. Assim é a vida. E assim ela não é também, em alguns dias.

Nada que me preocupasse além do justo.

2 comentários:

Caroline. disse...

caramba, adorei o blog! :*

Caroline. disse...

ah, eu estava olhando uns blogs por aí, então achei :P